Crioterapia e Termoterapia

Ações gerais da crioterapia - Aplicação de gelo

01- Diminuição da dor:

a) por decréscimo na transmissão das fibras de dor;

b) diminuição da excitabilidade nas terminações livres;

c) redução no metabolismo tecidual, aumentando o limiar das fibras de dor;

d) agindo como contra-irritante;

e) promovendo a liberação de endorfinas.

02-Diminuição do espasmo muscular:

a) diminuição da entrada sensorial;

b) via estimulação simpática, promovendo a diminuição na descarga aferente durante o resfriamento;

c) quebrando o ciclo dor-espasmo-dor.

03- Diminui o metabolismo tecidual local.

a) diminui a colagenase;

b) diminui o consumo de 02;

c) o resfriamento leva um organismo superior a viver como um organismo inferior, mais resistente possibilitando uma tolerância maior a isquemia;

d) diminui o metabolismo dos carboidratos.

04- Diminui o edema:

a) diminuição das proteínas livres no interstício;

b) diminuição do metabolismo.

05- Diminui a hipóxia secundária:

a) pelo aumento da viscosidade tecidual;

b) maior aderência celular;

c) estanque mais rápido da hemorragia;

d) diminuição da circulação.

06- Aumenta ou diminui o processo inflamatório:

a) aumenta o processo de reparação;

b) as inflamações causadas por prostaglandina aumentam e por traumas diminuem;

c) a histamina tem seu efeito aumentado.

07- Diminuição da condução nervosa:

a) aumenta o limite das fibras;

b) diminui a condução axoplasmática;

c) diminui a neurocondução tanto sensorial como motora;

d) aumento do período refratário absoluto e relativo

e) diminui a atividade do fuso muscular;

f) não altera a função do OTG;

g) as fibras secundárias tipo II em repouso respondem com uma diminuição maior do que as fibras primárias tipo Ia;

h) diminui o disparo dos receptores táteis e de frio;

i) diminui a atividade reflexa monossináptica e polissináptica.

 

Efeitos gerais da termoterapia - Aplicação de calor

1- Efeitos fisiológicos:

a)    Analgesia: o calor provoca efeito sedativo nas fibras dos nervos sensitivos periféricos, suprimindo assim as sensações de dor, segundo a teoria de “portão”, para o controle da reação à dor, que versa: “A estimulação das grandes fibras sensitivas por mecanorreceptores periféricos deprime bastante a transmissão de sensações dolorosas, a partir tanto da mesma área do corpo quanto de áreas mais afastadas, algumas vezes até muitos segmentos.”

b)   Favorecimento da defesa: com o aumento do fluxo sangüíneo, haverá consequentemente aumento da circulação de anticorpos e de células fagocitárias no segmento tratado.

c)    Relaxamento: o relaxamento muscular é capsuloligamentar, isto é, ocorre em consequência da diminuição do quadro álgico. Promove sobre os tecidos musculares diminuição dos espasmos e relaxamento muscular, porque o aquecimento dos tecidos superficiais produz acentuado relaxamento dos musculoesqueléticos, e mesmo espasmos musculares. A reação pode ser de natureza reflexa e deflagrada pelo efeito dos receptores na temperatura da pele. A estimulação da pele diminui a atividade de fibras gama, resultando em excitabilidade diminuída dos fusos. Então, os reflexos desencadeados através dos receptores de temperatura podem constituir a base fisiológica para o relaxamento clinicamente observado dos espasmos musculares após o uso do calor.

d)   Redução do edema: devido ao aumento do fluxo sangüíneo e do retorno venoso e linfático, através da vasodilatação, ocorre redução do edema.

e)    Hiperemia local: o aumento do fluxo sangüíneo promove uma irrigação mais superficial, a ponto de se observar um rubor fisiológico da pele. Promove uma vasodilatação nas arteríolas e capilares. Quanto mais irritativo, esse calor irá ativar terminações nervosas, produzindo vasodilatação reflexa. Em caso de quente moderado ou tratamento prolongado, ocorrerá uma vasodilatação profunda na tentativa de aumentar o aporte sangüíneo na região.

f)     Maciez da pele: com o aumento da temperatura local e do fluxo sangüíneo, ocorre transpiração por aumento da produção das glândulas sudoríparas e sebáceas e também uma dilatação dos poros na epiderme. Isto ocorre quando o hipotálamo é informado do aumento da temperatura local e, na tentativa de diminuir catabólitos, aumenta a excreção através do aumento das atividades das glândulas sudoríparas.

g)    Aumento da flexibilidade: com a diminuição do quadro álgico e consequentemente relaxamento muscular e capsuloligamentar, há maior flexibilidade, favorecendo assim a mobilização.

h)   Aumento da oferta de oxigênio e nutrientes: o aumento do fluxo sangüíneo também promoverá esta oferta às células.

i)     Aumento do metabolismo local: ocorre exatamente pelo aumento da oferta de oxigênio e nutrientes às células, que aceleram o seu metabolismo para poderem absorver o que lhes está sendo ofertado.

j)     Aumento da retirada de substâncias nocivas ou que não serão mais utilizadas pelas células: as arteríolas, ao se dilatarem, oferecem mais nutrientes às células, e as vênulas, em consequência, paasamtambém, através do retorno venoso, a retirar substâncias nocivas das células.

 

Sensações gerais:

01- Causa sensação de:

a) dor.;

b) aquecimento ou “queimação”;

c) coceira ou formigamento;

d) adormecimento.

02- Hiperemia:

a) causa uma maior redução do retorno venoso do que do fluxo arterial, resultando em uma hiperemia arteriolar na pele;

b) devido uma redução do metabolismo a troca do oxigênio diminui. Essa troca menor resulta em um sangue com alta oxigenação (mais vermelho) no sistema cutâneo.

 

Fatores que influenciam a sua aplicação:

01- Material que produzirá o frio; (cloreto de etila > banho de imersão > gelo picado > gel)

02- Quanto maior a compressão, maior o resfriamento;

03- Quanto maior a quantidade de gordura, menor será o resfriamento;

04- A articulação tem sua temperatura diminuída mais do que os músculos;

05- Tempo de aplicação maior, maior profundidade;

06- Quanto maio o tempo de aplicação, maior o tempo de recuperação.

 Dra. Erika Matzick

Comments